A série “Da obesidade à São Silvestre” chega ao seu fim com este texto.

Não será uma despedida.

Será um até logo até a próxima corrida que se aproxima. Desta vez, vem a meia maratona do Rio de Janeiro.

Mas, Felipe, como foi? Fala para a gente!!

Vamos lá, então, leitores amigos. No mês que antecedeu a prova de 15 quilômetros mais famosa do Brasil, iniciei um processo de diminuição da frequência e da intensidade dos treinos. O trabalho estava me consumindo e a Marinha estava ocupando muito mais tempo do que o planejado. Mantive as completas do náufrago e corridas de até 13 km até a última semana (podem ser vista em meu instagram pessoal @felipehaberfeld).

Para concluir a prova, sabia que precisava continuar treinando pelo menos 3 vezes por semana e em uma intensidade relativamente alta para uma pessoa que até julho era sedentário.

Utilizei uma planilha de preparação em seis semanas da Ativo.com, entretanto, não consegui cumprir à risca o que ela mandava devido a toda ocupação que estava ocorrendo.

Aí veio chegando a prova…

O trabalho mental foi enorme. Preparei-me como quem vai correr uma ultramaratona. O objetivo de concluir a prova já era certeza de ser atingido. Utilizei todas as ferramentas possíveis de mudança do mindset aprendida no coaching em mim mesmo.

Na semana que antecedeu, fiz um último treino em asfalto plano de 13 km exatamente 7 dias antes. Senti um pouco o joelho direito e descansei. Nos dias seguintes, foram 3 treinos de 5, 3 e 2 km respectivamente.

Na véspera, o aeroporto estava cheio de gente com roupa de corrida. O assunto “Corrida de São Silvestre” era recorrente entre amigos mais animados e grupos com bandeiras e camisas. Sabe quando você vai a um evento que concentra um número grande de pessoas com o mesmo objetivo? Aquela magia estava ali.

Fiz amizade com dois corredores de alto nível no voo. Pessoas da melhor categoria, um administrador e o outro dentista. Haviam mudado sua vida a partir da corrida, assim como estou fazendo. Disseram-me da importância de uma assessoria de corrida (confesso que estou vendo as opções aqui em Niterói ainda) e dos desafios em todas as corridas que participaram. Inclusive ultramaratonas.

Ao chegarmos ao aeroporto fomos buscar o kit. Ficava no ginásio do Ibirapuera. Rachamos o Uber e comparecemos ao local antes do horário planejado. A fila, apesar de enorme, andava com uma celeridade impressionante. Mega estrutura. Repito, mega estrutura. Os organizadores estão de parabéns. Diversas pessoas fantasiadas. Um humor e energias revigorantes.

O kit era composto de camiseta, chip de tênis, número de peito, cânfora, uma embalagem de café de 250 mg e um iogurte hiperproteico que estava sendo lançado no evento.

Nos stands associados vendiam diversos produtos de corrida com preços promocionais. Comprei um fone de ouvido bluetooth (o qual acabou a bateria no quilômetro 7 para a minha alegria) por um preço interessante e um porta-celular de braço.

A cidade transpirava São Silvestre. Onde se ia, havia pessoas equipadas e atletas de alto rendimento fazendo alongamentos e últimos treinamentos. Resolvi fazer um passeio e ingerir uma alimentação rica em carboidratos na véspera (fato facilmente resolvido em SP e em seus maravilhosos restaurantes).

E a corrida em si?

Conforme dito pelo presidente do grupo Melhorar, Arthur F. Cortez (que já participou e concluiu diversas maratonas e iron man), “o dia da corrida é como se fosse a festa de formatura. O mais difícil já passou. Agora é só curtir”. E foi só curtir…

Nesta prova, diversas pessoas vão às ruas apenas para apoiar os corredores. Cumprimentei diversas crianças, apoiei os mais cansados, ri demais!! Diversão garantida dissolvida em um pequeno sofrimento (correr uma prova de atletismo de rua com tantas subidas, descidas e curvas).

Terminei a prova com o gostinho de quero mais, tendo ajudado um amigo (feito no momento) que teve problemas com câimbra nos últimos 100 metros. Não podia deixá-lo para trás.

Para concluir, gostaria de agradecer a todos os envolvidos. Todos que me apoiaram e estiveram mandando mensagens de apoio.  Não foram poucos. Grato demais a cada um de vocês!!!

Para saber mais de perto tudo o que ocorreu nessa preparação, receber dicas de motivação/crescimento pessoal e liderança, curtam minhas pages.

No Facebook: Felipe Haberfeld Coach

No insta @felipehaberfeld.

Abraço de coach!

Agora, faltam 4 meses para a meia do RJ… vamos melhorar??